domingo, 29 de maio de 2011

Bullying: Definição




Segundo Ana Beatriz Barbosa Silva in Mentes Perigosas – O psicopata mora ao lado, BULLYING  pode ser definido como “um conjunto de atitudes agressivas intencionais e repetitivas que ocorrem sem motivação evidente adotada por um ou mais alunos contra outros. Os mais fortes utilizam os mais frágeis como meros objetos de diversão e prazer, cujas ‘brincadeiras’ têm como propósito maltratar, intimidar, humilhar e amedrontar, causando dor, angústia e sofrimento às suas vítimas. O líder do grupo agressor ( o ‘valentão’ ou o ‘tirano’) costuma ser o indivíduo que apresenta características compatíveis com a personalidade psicótica.”
Lendo a defnição acima,  podemos visualizar claramente,o que, antigamente,  víamos apenas nos filmes e, hoje, aparece praticamente toda semana na TV ou nos jornais.É assustador pensar que um ambiente antes considerado seguro, parece ter se transformado num campo de guerra. Será sinal dos tempos ou uma amostra da sociedade atual?
O mais alarmante é que segunda a autora supracitada, “ ninguém vira psicopata da noite para o dia: eles nascem assim e permanecem assim durante toda a sua existência.” Esta afirmação assusta porque nos sentimos sem saída. Não importa o que a escola, os pais, a polícia ou a sociedade como um todo faça, “ a psicopatia se traduz numa maneira de ser, existir e perceber o mundo.”
Apesar do pessimismo das afirmações,  há uma boa notícia no livro da autora mencionada acima: 96% das pessoas são consideradas possuidoras de uma base razoável de decência e responsabilidade. E há um caminho. Os 4% restantes produzem tanta destruição porque  são capazes de se unir em busca de interesses comuns ao passo que, em contrapartida, as pessoas do ‘Bem’ tendem a se dissipar.
Em resumo, só há uma saída: a união das pessoas em torno de causas nobres lutando por manter e disseminar os valores de nossa sociedade. Está em nossas mãos.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Você também pode!

Você também pode mudar o mundo com as suas atitudes, basta começar devagar, ainda que timidamente, mas perseverar.

 Você também pode ajudar um vizinho a descarregar as compras, segurar a porta do elevador, aproveitar a ida à padaria e trazer pão para o vizinho, levar um cafezinho para o porteiro, cumprimentar as pessoas que trabalham no prédio, apanhar o lixo que alguém deixou cair no chão, doar os jornais velhos para o vizinho que tem um cachorrinho.

Você também pode indicar um livro ou um filme para um amigo, sorrir, ligar e perguntar se está tudo bem, mandar uma mensagem de texto engraçada, fazer um comentário positivo na foto do Facebook ou Orkut do amigo, postar uma frase positiva no twitter ou blog , elogiar a roupa ou penteado novo, agradecer a aula especial que o professor preparou.

Você também pode ajudar o colega de trabalho em uma tarefa, levar um lanchinho ou um bolo para todos do escritório, perguntar pelos familiares, cooperar com as tarefas do colega, dar uma carona mesmo que mudando um pouco seu itinerário habitual, elogiar o esforço do colega ou uma das suas características pessoais.. 

Você também pode revezar a tarefa de levar os filhos para a escola ou uma festa, dar uma lembrancinha para agradecer ou alegrar o dia de alguém, conscientizar as pessoas sobre a importância de separar o lixo e o óleo de cozinha.

Você também pode lavar a louça, tirar ou colocar a mesa, levar o café da manhã na cama, ligar só para dar um oi, compartilhar seus objetos, preparar um lanchinho especial.

Você também pode mostrar para seus amigos e colegas que é importante manter o pensamento positivo e focar em coisas boas.

Enfim, você pode TUDO, basta querer e começar.

domingo, 22 de maio de 2011

Dificuldade de aprendizagem: pontos de vista diferentes

Entristece-me quando escuto comentários como  “ Antigamente, se o aluno não aprendia repetia e pronto!” “Na minha época, não havia essas coisas de dificuldades de aprendizagem.” Na verdade, acredito que é uma visão muito simplista. Evoluímos como sociedade. A ciência e a tecnologia progrediram facilitando o acesso rápido a milhões de dados que antes  eram desconhecidos. Novas descobertas são feitas todos os dias e , graças a Deus, novas formas de aprender são descobertas e aperfeiçoadas diariamente.

Antigamente, as pessoas eram divididas entre as que “davam para os estudos” e as  que deveriam sair da escola. E, infelizmente, acabavam saindo mesmo da escola  com auto-estima abalada e sentenciados ao fracasso acadêmico. Hoje, com estudos mais avançados sobre o cérebro humano, podemos verificar estas dificuldades apresentadas pelos alunos ainda em tempo de impedir que a  auto-estima seja destruída. Quando o aluno apresenta dificuldade  em uma matéria, é uma questão pontual que pode ser determinada por dons e dificuldades naturais. Porém, quando a dificuldade se apresenta em muitas disciplinas, o ideal é iniciar uma investigação detalhada.Temos outras alternativas e técnicas que propiciam uma reversão dos casos. De maneira alguma, é um caminho fácil para o aluno ou para o professor. Porém, é um desafio que pode ser vencido. Deixemos de lado o conformismo e a opção mais fácil  e encaremos de frente o desafio de ENSINAR e fazer a diferença!

domingo, 15 de maio de 2011

Sonhos

"O que interessa não são as noites em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre.Dormindo ou acordado." William Shakespeare

sábado, 14 de maio de 2011

Mochilas

Quando pensamos em crianças, imediatamente nos preocupamos com a segurança. Popularmente, dizem que “criança cega os olhos”, significando que tudo acontece muito rápido. De fato, segundo Goleman, a criança chama a atenção do adulto em média três vezes por minuto. Exatamente, por isso, é muito desgastante tanto física quanto mentalmente. Porém, assusta-me o número de crianças ainda pequenas correndo livremente pelas calçadas no horário da saída ou entrada das aulas, ou seja, na hora do rush. Observando atentamente, percebemos que enquanto as crianças correm felizes, as mães ou babás caminham a uma distância significante carregando as mochilas.


Desde a mais tenra idade, a criança precisa aprender a arrumar e carregar suas mochilas. Assim, além de ensiná-las a ter cuidado e responsabilidade com os seus pertences, também impedimos que elas corram para a rua e possam ser atropeladas. Há momento para correr livre no pátio da escola, na área de lazer, na praia. Contudo, as ruas, hoje em dia, são perigosas. Os tempos mudaram em muitos aspectos. Se a criança levar seus próprios pertences, a locomoção e o afastameto da supervisão do adulto ficarão mais difíceis, além disso, recuperar aquele velho hábito de andar de mão dada com o adulto, ato carinhoso e responsável, é recomendável.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Meninos também são de Marte?


Certa vez, meu filho me disse:”- Mãe, você já falou isso, eu já entendi e você continua falando, falando...” Naquele momento, lembrei-me do livro Os homens são de Marte, as mulheres são de Vênus , de John Gray. Neste livro, o autor defende a tese de que a natureza masculina é diferente da feminina. Enquanto a mulher precisa dissertar sobre variados assuntos, o homem é mais focado, ou seja, uma coisa de cada vez. Por outro lado, o homem vai mais direto ao assunto e quer resolver rapidamente qualquer pendência. Verificamos essa diferença , claramente, nos programas humorísticos quando eles retratam um casal discutindo a relação. A mulher está sempre querendo conversar, trocar idéias, enquanto o homem é rápido e objetivo. Usando uma linguagem popular, ele vai direto ao ponto, sem meandros ou crises.

Da mesma forma, precisamos ficar atentas ao lidar com os meninos. Passar horas explicando, brigando ou elucidando um assunto é ineficaz. Como meu filho deixou bem claro para mim, seja objetiva e sem retórica. Com os meninos, o ideal é não usar figuras de linguagem nem ironia. Quero que faça assim ou não gosto que faço deste modo. Sem meias palavras nem abuso de vernáculo, simplesmente claro e rápido.

O reforço positivo é fundamental para todo ser humano, portanto, elogiar é um instrumento importantíssimo. Também, segundo o livro os homens não gostam de receber críticas ( quem gosta?) pois sentem-se defeituosos e, na mente masculina, tudo que não funciona direito precisa ser consertado. Por isso, mediante uma crítica, ele reage com agressividade ou isolamento pois fica procurando como se consertar.Como regra geral, em educação, reforçar os pontos positivos leva qualquer pessoa a repetir o padrão elogiado. Por isso, elogie muito e ignore os pontos negativos pois a tendência será não repetir o que não alcançou êxito. Estou tentando arduamente vencer minha natureza que é de Vênus e agir assim com os meninos.