sábado, 14 de maio de 2011

Mochilas

Quando pensamos em crianças, imediatamente nos preocupamos com a segurança. Popularmente, dizem que “criança cega os olhos”, significando que tudo acontece muito rápido. De fato, segundo Goleman, a criança chama a atenção do adulto em média três vezes por minuto. Exatamente, por isso, é muito desgastante tanto física quanto mentalmente. Porém, assusta-me o número de crianças ainda pequenas correndo livremente pelas calçadas no horário da saída ou entrada das aulas, ou seja, na hora do rush. Observando atentamente, percebemos que enquanto as crianças correm felizes, as mães ou babás caminham a uma distância significante carregando as mochilas.


Desde a mais tenra idade, a criança precisa aprender a arrumar e carregar suas mochilas. Assim, além de ensiná-las a ter cuidado e responsabilidade com os seus pertences, também impedimos que elas corram para a rua e possam ser atropeladas. Há momento para correr livre no pátio da escola, na área de lazer, na praia. Contudo, as ruas, hoje em dia, são perigosas. Os tempos mudaram em muitos aspectos. Se a criança levar seus próprios pertences, a locomoção e o afastameto da supervisão do adulto ficarão mais difíceis, além disso, recuperar aquele velho hábito de andar de mão dada com o adulto, ato carinhoso e responsável, é recomendável.

2 comentários:

  1. Muito bem observado. Deu até um certo alívio para mim que faço Giovana carregar sua mochila desde o primeiro dia de aula, aos 3 aninhos. Calma, era uma mochila de rodinha, ela só tinha de puxar...rs. E ela ia toda orgulhosa! Hoje, está quase maior do que eu e leva sua mochila nas costas. Vejo muitos dos seus colegas largando a mochila com os pais ou avós. Sempre achei isso esquisito. Gosto de incutir independência com responsabilidades nos mais jovens.
    Claudia Roberta Angst

    ResponderExcluir
  2. Ufa!!!!!!!! Ainda bem! Achei que eu era a única!!!!rs..

    ResponderExcluir

Aguardo seus comentários.Eles são muito importantes para mim pois meu objetivo é aprofundar conhecimentos e esclarecer minhas próprias dúvidas.