quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Aquarela e TDA

“Se um pinguinho de tinta
Cai num pedacinho
Azul do papel
Num instante imagino
Uma linda gaivota
A voar no céu...”  (Toquinho
)


Qual professora, já não teve um aluno assim. E quantos pais não vivem brigando com seus filhos porque eles se não prestam atenção na aula, não dão recados,esquecem o material escolar ou pior, a matéria da prova. Talvez eles não sejam distraídos, apenas estejam em outra dimensão, seguindo um outro rumo como o da música de Toquinho. Basta um pinguinho de tinta e a imaginação, vai voando....


Num instante imagino
Uma linda gaivota
A voar no céu...
Vai voando
Contornando a imensa
Curva Norte e Sul
Vou com ela
Viajando Havaí
Pequim ou Istambul

Crianças TDA são facilmente distraídas por estímulos  do ambiente externo, porém,  mesmo quando evitamos e tentamos quase abolir esses estímulos, os pensamentos se  dispersam igualmente. Preocupo-me mais com os alunos TDA sem hiperatividade, porque estes, pela calma e tranquilidade, acabam sendo esquecidos num canto da sala,ficando livres para seguir o rumo dos seus pensamentos.


De uma América a outra
Eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso
E num círculo eu faço o mundo...
Um menino caminha
E caminhando chega no muro
E ali logo em frente
A esperar pela gente
O futuro está...

O futuro é a preocupação constante dos pais e da escola pois eles parecem precisar  de alguém por perto o tempo todo. Os pais e professores precisam estar sempre por perto lembrando, orientando, conferindo ou simplesmente, chamando -os pelo nome  para trazê-los de volta à realidade.


E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo, nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença
Muda a nossa vida
E depois convida


Escolhi esta música de Toquinho porque, além da beleza poética, descreve com exatidão o caminho traçado pela mente da pessoa que tem TDA. Essas pessoas, também, costumam apresentar dificuldade com relação a horários e frequentemente não os cumprem pois: 

Numa folha qualquer
Eu desenho um navio
De partida
Com alguns bons amigos
Bebendo de bem com a vida...


Têm muita dificuldade para  manter atenção em atividades muito longas e repetitivas. O computador prende mais a  atenção por conta da mudança de imagens.

E ali logo em frente
A
esperar pela gente
O futuro está...
E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Num instante imagino


Por mais que se esforce, seu desempenho sempre parece inferior ao esperado para sua capacidade intelectual, que geralmente é acima da média. Daí, ser considerado desleixado e desorganizado ou desinteressado. Estes rótulos trazem sofrimento para a criança e para a família.


Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos
Numa linda passarela
De uma aquarela
Que um dia enfim
Descolorirá...


O  desempenho muito abaixo do esperado em várias disciplinas pode ser um indicativo de TDA e deve ser investigado. A parceria escola, família e médico é fundamental nesse momento, pois  o diagnóstico tardio pode danificar auto-estima de maneira irreversível, sem falar nos problemas familiares causados.


Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo...
Corro o lápis em torno
Da
mão e me dou uma luva
E se faço chover
Com dois riscos
Tenho um guarda-chuva...


Possuidores de uma imaginação sem limites, têm a capacidade de ver as coisas sob outro prisma e, assim, encontram respostas ou soluções onde ninguém mais consegue. Podem e serão muito bem sucedidos, mas precisam aprender a manter o foco e a utilizar instrumentos para superar as falhas causadas pelo chamado déficit de atenção, que prefiro chamar de atenção exacerbada. Recomendo  a leitura do texto Steve Jobs, um revolucionário, neste mesmo blog, para servir como um estímulo para pais , professores  e alunos pois o caminho é árduo para todos os envolvidos.


















segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Questões do Coração

                    Ao ler  Questões do Coração de Emily Giffin,  deparei com uma cena em que mãe e filha conversam sobre um livro  e sobre a vida:

                     "- Seu pai e eu ainda morávamos no Brooklin. Não tínhamos nada naquela época, mas éramos tão felizes, acho que foi a melhor época da minha vida."

                         Às vezes, precisamos realmente fazer uma retrospectiva, analisar nossos atos passados,mas não para entrar em depressão, para analisar e crescer observando tudo pelo qual passamos. Tudo faz parte da nossa jornada e nos leva ao crescimento, tornando-nos pessoas melhores.Essa visão de que éramos felizes porque éramos pobres, precisa ser corrigida. Anos de programação errônea nos fazem carregar essa premissa, perpetuando-se em nosso inconsciente e no de nossos descendentes. As pessoas mudam, caminham  e a prosperidade deve ser vista como um direito, uma escolha.

                        "- Quando foi que você e papai ....pararam de ser felizes?" - perguntei.
                        "-Ah, não sei. Foi aos poucos, e mesmo pouco antes do fim passamos por bons momentos. - Então sorriu o tipo de sorriso que tanto pode anteceder lágrimas quanto uma risada. - Aquele homem, ele conseguia ser tão encantador e espirituoso."

                        É muito difícil constatar quando um relacionamento chega ao fim e qual o verdadeiro motivo. Em alguns casos, nunca houve um união. Uma amiga um dia me confessou que nunca quis casar, foi levada a se casar por força da sociedade e da família. Outros seguiram o que era esperado deles.Alguns, realmente, trilharam um caminho de união, amor,amizade e respeito juntos. Outros casais começaram a trilhar caminhos diferentes quando os filhos nasceram e a rotina de obrigações começou a minar cada momento de interação juntos.Por vezes, a evolução de ambos se dá de  maneira diferente e cada um é um novo ser completamente diferente daquele de anos atrás. Não há culpa, são caminhos diferentes.

                       "Concordei pensando que ele ainda é encantador e espirituoso, e esses são os dois adjetivos que as pessoas sempre usam para descrevê-lo."

                       Muitas vezes, a rotina diária faz com que deixemos de enxergar as qualidades do parceiro ou da parceira e , passemos a ver apenas os defeitos. Isto acontece, não só em casamentos, mas em qualquer relacionamento. Por isso, precisamos treinar todos os dias, observando as qualidades das pessoas que nos cercam e impedindo que a visão turva nos  mostre apenas os defeitos.O amor tem que ser cultivado e regado todos os dias e isso significa não erguer muros nos afastando das pessoas - às vezes os tijolos desse muro são a inveja, mal entendidos, mágoas, segredos ou culpas. 
                         Sempre é tempo pra recomeçar. Escolha ser feliz. Só depende de você.


                        

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Steve Jobs - sempre revolucionário


Ao ler sobre a vida de Steve Jobs, comecei a pensar em cada aluno que tenho com TDA. De maneira alguma estou afirmando, aliás nem posso  declarar que Steve Jobs fosse TDA,mas com certeza, ele tem muitas das características.
O colunista Joe Nocera o considera como um dos maiores inovadores da história do capitalismo moderno, dono de uma intuição fenomenal.
O próprio Jobs aconselha um grupo de alunos da Stanford University in 2005 “ Vocês têm que confiar que os pontos irão se conectar no futuro. Confiem em alguma coisa: garra, destino,vida, karma. Esta crença nunca permitiu que eu desanimasse e isso fez toda a diferença em minha vida.”
Steve Jobs   parou a faculdade ainda no primeiro semestre, porém fez um curso de caligrafia sem contar créditos acadêmicos. Tinha um interesse muito grande em eletrônica desde a adolescência e, portador de grande imaginação, começou desenhando jogos para Atari.Entretanto, manter-se nessa linha era difícil. Largou tudo para fazer uma viagem pela Índia.
Bem, os pontos se uniram lá na frente, as aulas de caligrafia o influenciaram a desenvolver a estética da Apple, a criação de games e a paixão por eletrônica o levaram a desenvolver um produto após o outro com uma perfeição e criatividade inigualáveis.
Sofreu fracassos e teve problemas de relacionamento com colegas e outros engenheiros, porém, ele jamais desistiu. Ainda declarou para a Newsweek em 2006: “Quando você começa a tentar resolver um problema, as primeiras soluções que surgem são muito complexas e  a maioria das pessoas para aí. Mas, se você perseverar e for descascando as camadas lentamente, você frequentemente chegará a uma solução simples e elegante. Pense diferente!”
Ao ler tudo isso, penso que nossos alunos TDA/H merecem mais atenção. Precisamos quebrar paradigmas,usar a imaginação e permitir que as mentes brilhantes de nossos alunos floresçam, expandam e tragam novas soluções para problemas presentes e futuros. Ao invés de rotular e marginalizar, aceite o desafio e FAÇA A DIFERENÇA. Um novo Steve Jobs ou Bill Gates pode estar em sua sala de aula ou em sua casa.

sábado, 3 de setembro de 2011

Deixa a vida te levar


Fernando Pessoa disse:“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”. Mas, o que é uma alma pequena? Será sinônimo da expressão bíblica “pobres de espírito”?
Quando era pequena, várias vezes, escutei minha mãe dizendo que gostaria de adormecer e só despertar quando as festas de fim de ano tivessem passado. Na minha inocência e alegria pueril não consegui entender o motivo de tanto desinteresse pelo Natal.
Esta semana, ouvi uma amiga cuja mãe faleceu recentemente, fazer a mesma afirmação. Lembrei-me da minha infância e de tantos momentos já, na idade adulta, que pensei como seria bom fazer uma terapia do sono. Adormecer e só despertar depois que certos momentos difíceis tivessem passado. Todavia, apesar das dificuldades, das lágrimas e do sofrimento, tenho a consciência que viver estes momentos me tornou uma pessoa mais amadurecida e melhor. Não creio que precisemos sofrer para aprender, porém, sei que crescemos muito e aprendemos  com tudo que passamos na vida.
O importante não é o quanto sofremos, mas as lições que tiramos de tudo o que experimentamos. Nada acontece por acaso, cada ciclo de nossas vidas nos leva a um ponto mais elevado de nossa existência. Uns ciclos começam, outros terminam.
Certa vez, uma amiga, ao descrever a vida dela, me disse que ao percebermos o fechamento de ciclos em nossa vida, não nos entristecemos tanto, pois não lutamos contra, mas nos abrimos para o Novo que está chegando. Acho que esta é a grande Dica, deixar que o novo entre em nossas vidas sem resistência.
             Encerro este texto repetindo o bordão que minha mãe sempre dizia quando eu tentava alterar o inalterado:” Não lute contra a maré ou morrerás afogada. Deixe que a maré te leve até novas paisagens e novas praias.” Hoje entendo que esta frase não é uma defesa  à Inércia, mas é a sabedoria de perceber o imutável e guardar forças para batalhas que realmente valham a pena.