quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Quatro técnicas simples para acelerar a aprendizagem


Por experiência própria, já sabemos o que os neurocientistas afirmam sobre nosso cérebro tender a categorizar tudo. Num giro pela internet, percebemos como as pessoas são categorizadas. O zodíaco classifica pelo mês do nascimento, o horóscopo chinês pelo ano em que nascemos. Psicólogos dividem a população pelo nome, por característica pessoais ou psicológicas e há até a dieta do tipo sanguíneo. Resumindo, categorizar faz parte do nosso cotidiano e nos auxilia a aprender e memorizar.
Como nosso cérebro trabalha categorizando naturalmente, podemos tirar partido disso instruindo nossos alunos a seguir esse processo para melhor performance. Por exemplo, numa aula sobre seres vivos, pedi que os alunos fossem me dando nomes de animais os quais fui escrevendo na lousa já categorizando. Após o término, perguntei aos alunos porque eu havia separado os animais daquela forma. Analisando e discutindo perceberam qual tinha sido meu critério. Após esta fase, eles foram pensando e exemplificando outras formas conhecidas de classificar os animais. Com a interação e participação de toda a classe, o conteúdo foi estudado de uma forma dinâmica.
Outra técnica que ajuda muito na compreensão é a utilização de cores diferentes. 
Outras áreas de nosso cérebro são ativadas ao identificar as cores e nesse processo a fixação de conteúdo ocorre de maneira mais acentuada. Segundo Mauro Pennafort, olhando a pessoa grava a informação em 72 áreas do cérebro, daí a importância da imagem.
Finalizando, recomenda-se o movimento corporal. Todo movimento ativa o cérebro, por isso, procuro planejar atividades que propiciem caminhar, dançar, mudar de posição. A aprendizagem significativa requer que a memória seja ativada de formas diferentes o tempo todo.

Patrocinio:





segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Mundo da Lua

“Eu vivo sempre no mundo da lua
Porque sou um cientista“
Eu vivo sempre no mundo da lua

O meu papo é futurista é lunático”
Quem já não teve um aluno que vive sempre no mundo da lua. O professor acabou de dar uma informação e o aluno levanta a mão e pergunta exatamente a mesma coisa. Risada geral da classe e o rosto surpreso do aluno que não entende o motivo da risada pois sua pergunta era séria, porém, ou inoportuna ou exatamente após a explicação do professor.
Por outro lado,  outros assuntos mais diversos atraem tanto a atenção de certos alunos que  eles são capazes de dissertar sobre o assunto ininterruptamente.
“Eu vivo sempre no mundo da lua
Tenho alma de artista
Sou um gênio sonhador e romântico”
Você conhece  algum artista que seja prático e cumpra prazos? Quanto mais criativo, mais sonhador. Por este motivo, os povos antigos atribuem a inspiração às deusas. Os gênios ou artistas parecem estar em outro mundo enquanto criam. As ideias parecem ter sido trazidas de outra dimensão.
“Eu vivo sempre no mundo da lua
Porque sou aventureiro
Desde o meu primeiro passo pro infinito”
A rotina parece aniquilar a criatividade. O aluno não consegue manter-se num mundo parado e calmo, então uma fuga surge rapidamente. É como se um interruptor fosse ligado ou desligado sem  controle. Essas pessoas têm uma criatividade capaz de criar histórias emocionantes e cativantes.
Eu vivo sempre no mundo da lua
Porque sou inteligente
Se você quer vir com a gente, venha que será um barato’
Além disso, o cérebro parece demandar doses de  adrenalina que podem vir realmente por intermédio de uma aventura ou, mais perigosamente ainda pelo uso de drogas. Algumas drogas parecem ter um efeito que bloqueia esses devaneios permitindo ao cérebro descansar um pouco. Na verdade, o cérebro não consegue filtrar os estímulos e a pessoa sente -se  metralhada por mil informações simultaneamente sem conseguir selecionar ou priorizar itens. Algumas drogas, à princípio, ajudam a focar mais ou a relaxar. Por isso,precisamos ter cuidado e atenção. A pessoa com TDAH vai procurar meios para conseguir a concentração necessária e, infelizmente, pode ser nas drogas.
‘Eu vivo sempre no mundo da lua
Porque sou inteligente
Se você quer vir com a gente, venha que será um barato
Pegar carona nessa cauda de cometa
Ver a Via Láctea, estrada tão bonita
Brincar de esconde-esconde numa nebulosa
Voltar pra casa no nosso lindo balão azul’
Muito inteligentes e criativos podem ser grandes profissionais e companheiros divertidíssimos desde que consigam superar as dificuldades e manter a auto-estima que, normalmente acaba abalada, sempre em alta. O portador de TDAH precisa conhecer-se bem e estar cercado de pessoas que possam ajudá-los a encontrar o foco. Não marginalize, coopere.
*Música Balão Mágico para ilustrar e tornar mais fácil a compreensão da mente do TDAH.
Patrocinadroes do blog:


quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Aulas para a vida


Era uma vez, uma linda família de macaquinhos que morava na floresta. Toda a manhã, a mamãe  dava a refeição para seus filhos, penteava o pelo dos filhinhos e depois começava  a lista de recomendações:
- Não vá para o norte porque há jaguares ferozes.
-Cuidado com as cobras, preste atenção para onde você está indo.
-Não coma qualquer fruto. Alguns são venenosos.
Da mesma forma, os pais precisam ensinar seus filhos da cidade a sobreviver. Mostrar os perigos e os cuidados necessários.
E, por sobrevier, não basta pensar em termos de saúde física. A emocional/ psicológica precisa ser ensinada e desenvolvida todos os dias. Os pais, assim como os professores, devem preocupar-se em desenvolver e fortalecer as emoções dos jovens.
Às vezes, escuto as pessoas falando no meu tempo não era assim. Nosso tempo é agora. Como diz , Mário Sérgio Cortella, faz apenas  8 anos que o DVD foi criado e já é obsoleto. O telefone é usado para escrever ou gravar  áudios. Ninguém se liga mais. Porém, precisamos nos ligar nas mensagens que estamos passando para nossos jovens por meio de nossas atitudes.
Certa vez, uma mãe me procurou para mudar a filha de classe alegando que ela não se dava com as meninas da classe. Preocupada com bullying, perguntei o que ocorria exatamente e a mãe me explicou que as outras meninas gostavam de ficar lendo no intervalo enquanto ela gostava de conversar e brincar. Bem, transferência feita, passam-se algumas semanas, a mãe retorna: ” Aquela classe, também não é boa para a filha porque as meninas conversam demais.”
No mundo real, não precisamos gostar de todo mundo, mas devemos respeitar a todos. Lendo a Revista AT, o artista plástico Sé Cordeiro conta que:
 “Na Índia, você se depara com contrastes o tempo inteiro: pobreza, riqueza e etc. Essa experiência me deu casca, mostrou que dá para viver em qualquer lugar, lidar com qualquer adversidade.”
Este é o papel do educador seja na figura de pais ou professores: educar para viver em qualquer lugar sob qualquer circunstância.
Um Patrocinio:



segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Apps que simplificam a vida. Será?


Após uma aula de Pilates, descubro que terei que descer 26 andares a pé devido a um problema de energia. Surpresa e desapontamento geral nas pessoas que esperam o elevador. Alguns alegando que para baixo todo santo ajuda, resolvem enfrentar a empreitada. Outros começam a transmitir o que os médicos recomendam que é subir e, não descer escadas, pois descer prejudica os joelhos e coluna. Diante deste impasse, alguém lembra que talvez o elevador de serviço tenha gerador. Ufa!! Problema resolvido para mim.
Ao ler a matéria  em A Tribuna cuja foto usei para a ilustrar a postagem, lembrei-me deste fato e também de um curso que fiz de neurociência aplicada à Educação. Neste curso, a especialista Dra Thais Faria Coelho, salientou a importância dos exercícios físicos não só para oxigenar o cérebro, mas porque exercitam como que provocando, ou seja estimulando várias partes do cérebro dependendo do que fazemos.
A tecnologia é bem-vinda, contudo precisamos reservar algum tempo para fazer movimentos que contribuam com o exercício cerebral. Lembrei-me de  minha infância quando subíamos em árvores, pulávamos corda, andávamos agachados. Estes movimentos ativam e revigoram o cérebro. Se temos todas as informações a um clique de distância, para que pensar?
Sabe, aquela bola usada em aulas de Pilates e outras modalidades esportivas? Com ela, vários exercícios podem ser feitos para ativar não apenas nosso corpo, mas também ativar a memória e o raciocínio. 
Num futuro próximo, postarei mais detalhes de como exercitar o cérebro.

Apoiadores do Blog:




sábado, 25 de agosto de 2018

Desafios do profissional no mundo contemporâneo


Aparentemente, a habilidade para usar a tecnologia é a grande habilidade exigida dos jovens profissionais. Entretanto, engana-se quem acredita ser esta a preponderante ou única. O que mais se espera de um profissional?
Acredite a lista é longa e os processos seletivos estão cada vez mais voltados para outras habilidades além do CV. Um bom currículo é importante para  ajudar a passar para a segunda fase do processo que seria a entrevista ou as dinâmicas de grupo. Todavia, do que se constitui um bom currículo?
Uma das qualidades que se busca neste novo profissional é o interesse em buscar conhecimento. Assim, um bom currículo precisa ser variado, envolvendo cursos, palestras, simpósios e em diferentes áreas. Este tipo de currículo demonstra uma pessoa com esta sede de conhecimento em áreas diferentes além da principal. Concomitantemente, fluência em línguas, agrega muitos pontos e, com um intercâmbio mais ainda.  O conhecimento de língua traduz a vontade de expandir conhecimento e o intercâmbio agrega experiências, o aprendizado de viver outras culturas, a habilidade de adaptação e autonomia. Para fechar com chave de ouro e garantir uma oportunidade na próxima etapa do processo, faz-se necessária a participação em projetos voluntários. Esta preocupação com o outro agrega tanto em termos de desenvolvimento de habilidades como liderança e trabalho em equipe, como também, revela um olhar para a comunidade.
E o que mais se espera de um profissional?
Saber se comunicar vencendo a timidez, analisar dados e tomar decisões unindo a técnica e a emoção. O domínio de habilidades sócio emocionais está em alta e será verificado nas atividades desenvolvidas nas etapas seguintes do processo seletivo. Seja franco, de nada adianta camuflar a verdade, por isso, trabalhe o auto-conhecimento. Analise seus pontos fracos e desenvolva as habilidades necessárias. Não tema confessar que tem certa inabilidade e está trabalhando para melhorá-la. Este fato colocará você numa posição melhor do que não admitir ou sequer ter conhecimento da inabilidade.
Tempos modernos com mais exigências. Prepare-se.






sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Falta de memória ou de atenção

infográfico publicado em A Tribuna de autoria de Mônica Sobral

Quantas vezes você já ouviu seu filho dizendo que “ deu um branco” na hora da prova? Frequentemente, não lembramos de fazer algo ou de determinada informação porque não prestamos atenção no que era para ser feito ou aprendido. O problema não é de memória, mas de falta de atenção.  Numa era em que tudo aparece num clique, a memória não tem sido exercitada recentemente. Como podemos exercitá-la?
Especialistas recomendam exercícios  físicos,  cuidado com a falta de sono, deficiência de vitaminas e manter o foco. Como  educadora,  acrescento alguns estímulos  como a leitura que pode ser de livros, periódicos, revistas, enfim algo que estimule a cognição e influencie a criatividade.
Por que   a atenção é tão importante?  A informação é recebida pelo Tálamo e processada pelo Córtex frontal. Tudo isso é enviado ao Hipocampo responsável pelo armazenamento das informações. No momento em que tentamos resgatar uma informação, o lobo frontal envia estímulos para o hipocampo que busca os fragmentos do que foi captado. Ter conhecimento desse processo explica a importância da atenção no momento da aprendizagem. Focando e posteriormente revendo a informação recebida ajudam o cérebro  a armazená-la adequadamente. Este é o processo que se chama de estudar todo dia, ou seja rever o que acabamos de aprender. Quando o cérebro recebe a informação pela segunda, terceira vez, registra esse conhecimento como relevante  e arquiva.
Outro ponto importante, é o estado emocional. O estresse e a ansiedade liberam substâncias que atrapalham a memorização e a recordação. Por isso, respirar fundo várias vezes, procurar acalmar-se  e lentamente ir buscando as associações feitas,  recuperará  de volta o que aparentemente está esquecido. Em busca de desenvolver esta habilidade, muitas escolas estão incluindo yoga ou meditação em suas grades. Buscam potencializar a aprendizagem melhorando a atenção e propiciando o relaxamento necessário.
Certamente, técnicas de estudo e de funcionamento do cérebro cooperam com o sucesso na vida escolar. O auto-conhecimento é fundamental.

Empresas parceiras:






quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Baixo rendimento escolar e respiração

http://www.divalativia.com/2011/11/ate-que-o-ronco-os-separe.html


Normalmente uma equipe de profissionais de diversas áreas, é necessária para compreender, avaliar e traçar estratégias a fim de melhorar o rendimento escolar. Quando o desempenho escolar se encontra muito abaixo do esperado, o que fazer?
A professora de psicologia Olinda T.   Kajihara da Universidade de Maringá, juntamente com a fonoaudióloga Cintia Nishimura desenvolveram uma pesquisa publicada na revista Instrumento, explicando que a respiração oral compromete o sono, causando a fadiga e desatenção. Por isso, iniciei o texto falando da importância da equipe nos diagnósticos. Frequentemente, problemas respiratórios como adenoides, alergias e pólipos nasais comprometem o crescimento da face, a dentição, a fala e o processo de aprendizagem.
A interação família e escola torna-se importantíssima para detectar esses problemas e encontrar caminhos e soluções. Muitas vezes, resolvendo essas questões físicas, os problemas de fraco desempenho escolar são resolvidos.
Olhos e ouvidos atentos!

Patrocinadores: