sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Saudade de comida

Você já deve ter dado vários presentes de Dia das Crianças, Natal e aniversários, não é?
Meu filho está em  um programa de intercâmbio e me cobrou que queria o presente de dia das crianças. E qual não foi minha surpresa ao ler na mensagem do what´s app que ele queria guaraná de presente??? !!!!! Ele raramente  bebia guaraná!!!! E, ainda acrescentou, feijoada e café.  
O que não faz uma viagem….
Já sentiu saudades de um idioma? Eu já. Percebi que esse sentimento existia ao chegar no aeroporto no Brasil e ouvir as pessoas falando em português. Foi uma sensação tão gostosa! Eu já havia feito várias viagens, mas sempre em países onde a língua predominante é o inglês e, neste caso, sinto-me completamente à vontade, como primeira língua mesmo. Porém, após um período na Argentina, ouvir português foi um bálsamo.
Numa outra viagem, observei como meus companheiros de viagem sentiam tanta falta  da comida brasileira a ponto de procurar restaurantes brasileiros.
Particularmente, não sinto falta de gêneros alimentícios, mas do idioma, às vezes um pouco. Vontade de afeto e de expressar coisas que veem das entranhas,  bem visceral lá da época da gestação quando ouvíamos a voz de nossa mãe ainda dentro do útero materno.
Enquanto isso, vou caprichando no guaraná para meu filho intercambista e nas paçoquinhas, porque sei que ele também sentirá saudade desses itens quando voltar para a terra dele. Às vezes, intercalo com “ himbeeren” para que ele amenize a saudade de casa também.
Afinal, saudade é o amor que fica! E se temos saudade é porque vivemos e bem!!! Por isso, resta-nos agradecer é relembrar.

Como dar um up no seu cérebro?

Você quer mesmo evitar rotina e dar um up no seu cérebro? Receba intercambistas em casa.
Como dizem minhas amigas, minha casa é uma subsede da ONU. Mas, não pense que é sério e formal como o nome que a intitula. Na verdade, é despojada e divertida. Um dia nunca é igual ao outro..Às vezes, chegam cinco para o jantar, dormem oito em casa, mas apenas dois ou talvez até dez para o almoço….nunca se  sabe…tudo depende da programação.
O mais engraçado é meu cérebro fazendo ginástica entre as várias línguas. Preciso falar português para que eles aprendam, porém frequentemente preciso traduzir em inglês. Por vezes, me pegam distraída e a mensagem sai em outra língua ou em mais de uma ao mesmo tempo.
Esta semana enquanto  eu dirigia um jovem perguntou ao outro qual a diferença de fuso entre o país dele e o Brasil. Ele respondeu 3 horas e eu acrescentei: -“ Agora, because estamos em horário de verão. ” Ao me ouvir desatei a rir de minha frase bilíngue.
Num outro dia, recebo mensagem de meu filho dizendo que está em casa. Como eu estava na porta de casa, respondi escrevendo: -“Ish bin zuhause aussi.” Mais uma vez misturei alemão e francês.
Para completar, meu filho alemão me pergunta esta manhã – Mãe , você pode comprar isto para mim? E  já vai mostrando e perguntando  como se diz em português. Eu, por minha vez, que estava organizando algumas contas, olho para ele e não sei responder…só me ocorre a palavra em inglês…Então, ele sorri e pergunta para a irmã. Minha filha prontamente, sem pestanejar, responde “-Lâmina.” O pior é que ao elogiá-la e dizer como ela é inteligente, ela me responde; – Mãe, conheço minha própria língua.” Tomba-lhe como dizíamos quando criança.


Das duas uma, ou eu comprovo a teoria que falar mais de um idioma retarda o envelhecimento do cérebro ou o oposto….O futuro dirá..fiquem de olho!

Dois meses

Há dois meses, Jona Kaiser chegou ao Brasil, sorridente, um pouco tímido, mas com olhar meigo e curioso. Falando apenas “Obrigado” em português, iniciou sua jornada num país onde não apenas a língua, mas também o clima, a cultura, os esportes e a rotina seriam bem diferentes.
Frente a tantos desafios, sua voracidade de aprender e experimentar coisas novas foi expressa em inglês “Quero experimentar todas as frutas. Dizem que são deliciosas.”
Assim, de fruta em fruta, doce em doce, atividade em atividade, festa em festa, Jona foi aprendendo e, ao mesmo tempo revelando seu lado extrovertido, líder e muito do Bem.
Na verdade, meu filho disse que Jona passou seus primeiros dezesseis anos de vida, treinando para ser brasileiro, pois a pontualidade nunca foi seu ponto forte na Alemanha e aqui no Brasil ele está completamente à vontade com a flexibilidade de horário – para horror dos outros intercambistas.
Hoje, após dois meses, fala português surpreendentemente bem conjugando verbos, usando as preposições, escrevendo mensagens e, inclusive, falando ao telefone.
O melhor de tudo para mim, como host mother, foi ouvir em bom português: ”Em dois meses aqui, não tive nenhum dia ruim.”
Aquela máxima prevalece “Quando se inicia uma jornada pensando positivamente, o Universo conspira a favor.”

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

À terrra onde fores ter, faze como vires fazer.

Ir em um programa de intercâmbio não é “pros fracos não”,  o processo  exige além do teste de  conhecimentos gerais e de língua,  um zilhão de documentos que por si só já é desanimador. Na verdade, acaba sendo uma grande prova. Se você conseguir cumprir todas as exigências, não há dúvida de que superará qualquer empecilho.
Nestes termos,  meu filho resolveu “enfiar o  pé na jaca”, já que é pra ir em intercâmbio, porque não Taiwan, Coreia ou Índia? Imersão total em outra cultura.  Ninguém poderá afirmar com tanta propriedade que algo não é errado, apenas bem diferente e deve ser respeitado.
Em dois meses,  as etapas vão se sucedendo: dinheiro,  locomoção , amizades, comportamento e linguagem.
Com certeza, não irão parar por aí. Somos frutos de uma programação que foi iniciada ainda no ventre materno. Por isso, é difícil vencer alguns hábitos para assumir outros. Neste caso, para ajudar no processo, uma ferramenta importante é a observação. Olhar com atenção, como se comportam, agem, fazem, respondem. Este é o olhar que a criança tem por isso aprende rapidamente, pois observa atentamente e copia os gestos, trejeitos e palavras. Observe quanto tempo uma criança fica olhando um animal numa visita ao zoológico, por exemplo. Ela se  detém nas minúcias. Com o passar dos anos, vamos perdendo essa capacidade. E, hoje em dia, com os olhos sempre voltados para a tela perdemos mais ainda essa capacidade. Paralelamente, para contribuir ainda mais com essa desatenção aos detalhes que nos cercam, não há mais predadores prontos para nos atacar e nosso sistema cerebral primitivo está sendo modificado.
Após dois meses num outro país, o mínimo necessário para sobreviver já está internalizado, mas resta  torná-lo um hábito  e apreender as minúcias, pois a jornada está só começando. Uma jornada muito além de conhecer outros povos, trata-se de mergulhar para dentro de si mesmo rumo ao auto-conhecimento. Descobrir o que é característica sua ou de seu país, o que me leva a agir assim, porquê faço assim, e se é possível também fazer de outro jeito.
Quando você vem de uma família com uma mãe latina super atenciosa, carinhosa  e prestativa, pode ser o grito de independência ou o desespero. Será a hora  de aprender a sobreviver sozinho. O mais importante é manter a mente e o coração abertos para o novo sem julgamentos e acreditar que tudo dará certo, não importando o quanto pareça fadado ao fracasso.
Para encerrar, lembro-me de um provérbio português recitado constantemente por minha mãe para nos ensinar a importância do observar, aceitar e imitar: “À terra onde fores ter, faze o que vires fazer”. Assim, como imigrante, minha mãe falava de cátedra, com a experiência de quem viveu, sofreu, venceu e aprendeu.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Amor com amor se paga

A gente se esforça, tenta agradar  e o tiro sai pela culatra. Presenteei meu filho  intercambista com um gibi em português. Ele disse que será ótimo para aprender português. Mas, em contrapartida, me convida a fazer o mesmo com um gibi em alemão…OMG..Como sair desta sinuca?
Num outro momento, eu estou explicando que preposições são mais difíceis que verbos. Então, ele me pede para fazer um quadro e …Surpresa!!! Ele escreve em alemão e quer que eu aprenda.
Definitivamente, ele está decidido a me fazer aprender alemão. E tenho que confessar eu estou adorando estar sentindo o mesmo que meus alunos sentem. Queridos alunos, sintam-se vingados!!! Estou sendo vítima de meus próprios métodos!!!
A questão que não quer calar é: Será que terei que fazer redações também???
Existe em inglês um provérbio que diz “Where there´s a will, there is a way” que  numa tradução livre significa onde há  boa vontade, há um caminho. Podemos arrumar mil e uma desculpas para deixarmos  algo para depois ou não ajudarmos alguém. Por outro lado, simples atos podem transformar o dia de alguém. Por exemplo, meu filho está num intercâmbio em Taiwan. A host mother dele não fala português nem inglês e eu não falo mandarim. Mas, como onde há boa vontade, tudo se consegue, esta mãe encontrou uma forma de apaziguar meu coração de mãe. Ela me manda fotos, muitas fotos. Tudo o que ele faz, ela me passa por mensagem. Nunca nos falamos mas nos entendemos. Ou seja, quando o desejo é verdadeiro, achamos o caminho.
O Programa de intercâmbio do Rotary objetiva promover a Paz entre os povos.  E consegue. Pessoas e famílias que nunca se viram, de repente, choram juntas, riem, desabafam problemas, ajudam uns aos outros e criam laços afetivos. Um único intercambista transforma o grupo social que ficou e o que irá recebê-lo.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Em intercâmbio

Como ensinava Alca de Sant`Anna, temos que estar alertas para perceber e diferenciar as mudanças de ciclo das mudanças de fases.
Neste momento, estou iniciando uma mudança de fase. Meu filho está indo morar em Taiwan por um ano e, em contrapartida, estou recebendo um novo filho em minha casa vindo da Alemanha.
Posso dizer com convicção que tem sido uma experiência gratificante e enriquecedora. De um lado, meu coração se contrai de saudade do filho que está partindo. De outro, meu coração, expande-se de alegria para receber meu novo filho que aterrissa no Brasil cheio de expectativas e os olhos brilhando de curiosidade.
Na qualidade de pesquisadora na área de Bilinguismo, meu cotidiano transformou-se num grande laboratório onde línguas, culturas e comportamentos são comparados e aprendidos. Muito tenho aprendido e compartilhado numa interação harmoniosa e alegre. Hoje meu lar está definitivamente globalizado com aspectos multiculturais e linguísticos. Todos amadurecemos e aprendemos nesta rica experiência. Como eu afirmei para a família alemã: somos famílias em intercâmbio e encaro esta experiência como um dos grandes presentes que recebi nesta vida.


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

As Histórias se repetem..

Um dia meu pai me contou porque veio para o Brasil e foi assim:
O professor disse para o pai dele, meu avô, que ele deveria ir estudar numa outra cidade, pois nada mais havia para ser ensinado no vilarejo onde eles moravam e que meu pai era muito bom. Meu avô respondeu que ele não precisava estudar pois tinha muita terra para arar. Após alguns anos naquela vida, meu pai disse para  uma amiga da mãe  que não gostava daquela vida de terra. Esta senhora  lhe  disse que se ele queria ir embora de Portugal, ela iria falar com a irmã de minha avó que morava no Brasil. E, assim, essa senhora, não só fez contato como  convenceu o marido a emprestar o dinheiro  para meu pai vir para o Brasil. Assim, meu pai, foi muito bem recebido pelo casal de tios e mandou o dinheiro da passagem de volta para esse senhor.
Ao ouvir essa história, entendi porque  meu pai sempre nos motivou tanto a estudar. Em casa, nunca houve economia para estudar. Não é a toa que eu e meu irmão  fizemos mais de uma faculdade e cursos de línguas, extensão e pós. Eu estudava inglês quando muitos poucos faziam. Meu irmão fez um dos primeiros cursos de computação que surgiram na região. Estudar era sempre primordial.


Continuei com esse hábito com meus filhos: livros, cursos, escolas, viagens, esportes, música…tudo de primeira, sem economia em educação. Hoje lá vai meu filho para o outro lado do mundo. Minha mãe dizia que as histórias se repetem em família. Talvez seja verdade. Meu filho parte em busca de conhecimento, experiências e claro, diversão! Afinal, nem só de pão vive o homem. Seja feliz meu filho!