segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Dicas para ajudar na escolha da escola.

Em que escola coloco  meu filho?Uma questão que atormenta muito os pais. Há tantas possibilidades e, ao mesmo tempo, é uma escolha tão importante.
Costumo aconselhar aos pais que observem bem seus filhos e respeitem o perfil de cada um. Por exemplo: minha filha desde pequena adorava pintar, dançar e outras formas de expressão artística, por isso escolhi uma escola que tinha um ateliê de artes imenso e efetivamente fazia uso dele. Com o passar do tempo, minha filha demonstrou ter uma facilidade maior para a área de exatas, porém não abandonou o gosto pelas artes e, ao escolher, uma escola para o ensino médio, escolheu uma excelente escola com ênfase para as exatas, mas que tem aulas de arte/música nos três anos do ensino médio. Ela, inclusive participou de um concurso de contos incentivada pela escola e obteve o segundo lugar conquistando inclusive a publicação numa revista.
Por outro lado, meu filho desde pequeno demonstrou uma grande preocupação com as pessoas mais carentes e uma tendência para obter melhores resultados na área de  cálculos. Ele foi para uma escola onde a preocupação tanto com inclusão social como com a ajuda aos menos favorecidos seja em comunidades ou instituições tem um papel relevante, e concomitantemente, propicia participação em olimpíadas de astronomia, física, matemática e cursos de games.
Na verdade, meu objetivo é elucidar que cada pessoa tem um perfil e que  este precisa ser respeitado na hora de escolher a escola. Nossos filhos não são uma extensão de nós mesmos nem tampouco vieram ao mundo para realizar nossas  frustrações ou desejos.
Eu sugiro que visitem as escolas sem as crianças/adolescentes primeiramente para averiguar questões práticas como locomoção, valores e métodos, para só posteriormente levar as crianças até a escola e  observem atentamente seus filhos:
- O que ele gosta de fazer? Desenhar? Pintar? Colorir? Ler?
- Ou é mais voltado para os exercícios físicos e atividades ao ar livre?
- Levanta bem humorado ou precisa dormir até tarde?
- Faz amigos com facilidade? Ou é mais tímido?
- Quais os valores da escola?
-Quando são mais velhos: costumam cumprir com as tarefas escolares, como são as notas, qual a área de preferência? Precisam de supervisão nos estudos?
Todos estes aspectos da personalidade ajudam a traçar  um roteiro do ambiente e método que irá ser mais adequado para que seu filho possa se desenvolver intelectualmente e se adaptar à escola. Boa sorte na empreitada!


3 comentários:

  1. Anninha:
    Cada dia mais difícil, hein... Os pais que podem se dar ao luxo de escolher escola para os filhos, considerando suas tendências e habilidades, devem erguer as mãos para o céu e agradecer a dádiva divina.
    A grande maioria, a massa, a plebe ignara tem que se contentar se conseguir uma vaga em escolas públicas que mais parecem depósitos de crianças abandonadas à própria sorte, totalmente falidas, inadequadas e inteiramente descompromissadas com o ensino.
    A Educação no País entrou em colapso há muito tempo e avança, a passos largos, para o mais profundo e sombrio abismo.
    Você é uma sonhadora incorrigível!
    R.Floyd

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo R. Floyd,
      Infelizmente tenho que concordar com você, o ensino público está falido excetuando pequenas ilhas de bom trabalho, a grande maioria está mais para uma hecatombe.
      Também concordo que sou uma sonhadora, porém quanto a ser incorrigível, já não sei. Às vezes, tenho vontade de desistir da luta inglória para compartilhar conhecimento e motivar os profissionais da educação e os pais.
      Bem, quando vc perceber que parei de escrever, saberá que deixei de sonhar ou morri!
      Abraços, Anna

      Excluir
  2. Anninha:
    Você ímortal! Continue sonhando porque não custa nada. É uma das poucas atividades gratuitas que ainda existem.
    Um abraço alentador/R.Floyd

    ResponderExcluir

Aguardo seus comentários.Eles são muito importantes para mim pois meu objetivo é aprofundar conhecimentos e esclarecer minhas próprias dúvidas.