segunda-feira, 14 de maio de 2012

Notas baixas



Primeiros resultados das provas chegando e, às vezes, nem sempre tão bons quanto esperávamos. Neste momento de decepção e preocupação, faz-se necessário parar e analisar onde está o problema fazendo algumas perguntas básicas:
  1. As notas abaixo da média ocorreram em duas matérias ou  em sua totalidade ou maioria?
  2. O aluno estudou direito? Quero dizer todo dia um pouco, comparecendo às aulas, fazendo as lições e participando das aulas?
  3. Tem dormido o suficiente? E a alimentação?
  4. Todos os fatores mencionados são importantes.A criança precisa estar bem nutrida para que seu cérebro execute todas as tarefas inerentes à aprendizagem e, estar bem nutrida, implica não só em  alimentos apropriados, mas também, horas de sono adequadas e em número suficiente para estar bem disposta pela manhã.
Aos pais, cabe estabelecer e fazer cumprir o ritmo de estudos. Peço especial atenção às crianças com déficit de atenção. Nestes casos, a criança precisa estudar num local tranquilo, mas na presença de alguém que a ajude a voltar ao tema quando perceber que ela viaja para “o mundo da Lua ”  e “pega carona numa calda de cometa”como diz a música Balão Mágico.
Ajudar a estudar, NÃO é fazer as lições e trabalhos para a criança. Embora, esta afirmação pareça óbvia, esta semana, enquanto eu fazia esteira, minha colega na esteira ao lado lamentava-se da má performance da filha na escola apesar de estudar tanto e ter tamanha cooperação da mãe que, inclusive, fazia os resumos de história, geografia e outras disciplinas para ajudar a filha a estudar. Neste momento, tentei explicar que resumir um conteúdo aprendido na escola implica em ter assistido à aula, feito anotações, lido sobre o assunto no livro didático sublinhando os pontos importantes e só, então, redigir com suas próprias palavras o que aprendeu. Após todo este processo, bastaria reler o resumo e fazer a prova com sucesso.Todavia, ao fazer o resumo pela filha, além de impedir a filha de construir seu próprio conhecimento apropriando-se dele em seu próprio ritmo, entregou-lhe um resumo ineficaz pois, certamente pontos muito importantes ressaltados pelo professor  em sala de aula foram desconsiderados pela mãe.
Em educação não existe caminho mais curto nem milagre, porém uma boa parceria entre escola e família pode alcançar o êxito.
            


5 comentários:

  1. Sempre fico apreensiva quando eles estão para receber as notas, parece que parte de mim também está sendo avaliada; cada dia que passa estou tentando ser desnecessária neste processo de estudo, afinal eles já estão indo p o ensino médio. Utilizei seu texto p discutir com eles o que pensam a respeito e o que acham que pode ser implementado. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Vc está certíssima! A ideia é criar a independência mesmo. Discutir o texto com eles tb foi excelente pois juntos puderam tomar decisões de uma forma participativa e não autóritária. Amei!

      Excluir
  2. A Lele está com muita dificuldade em física e me pediu para fazer aulas particulares com uma professora muito boa...iniciativa dela depois de chegar a conclusão que não conseguia apreender a matéria com esse professor e em sala de aula.Melhorou muito seu desempenho na matéria tirando boas notas.Nunca criticamos e nunca pedimos a ela que fosse estudar,apenas conversamos e mostramos exemplos de pessoas bem sucedidas profissionalmente e independentes. Você é um dos exemplos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Obrigada!!Às vezes, as aulas particulares são necessárias até para dar um arranque e depois caminha-se sozinho.O importante é procurar e encontrar os caminhos para superar os obstáculos.Tudo isso é experiência e aprendizado.

      Excluir

Aguardo seus comentários.Eles são muito importantes para mim pois meu objetivo é aprofundar conhecimentos e esclarecer minhas próprias dúvidas.